COMO FUNCIONA O SENSOR DE PRESENÇA

Os sensores infravermelhos passivos são importantes elementos na detecção de invasão e intrusões em um ambiente, pois diferente do que se acredita a maioria das pessoas, eles não são sensores de movimento e sim sensores de variação de temperatura. E são calibrados para a temperatura do corpo humano.

COMO ELES FUNCIONAM
Eles são chamados infravermelhos passivos porque somente captam variações de irradiação de luz infravermelha (variações de temperatura) no ambiente. Todos os objetos emitem certa quantia de luz infravermelha, uma mudança repentina no ambiente, como por exemplo: a entrada de uma pessoa alterará essa quantidade de luz infravermelha, causando um alarme. Ao escolhermos o tipo de sensor que iremos instalar devemos ter atenção aos seguintes detalhes:
• Ambiente interno ou externo;
• Temperatura do ambiente;
• Área do ambiente;
• Distúrbios no ambiente;

AMBIENTE INTERNO OU EXTERNO
A maioria dos sensores são projetados para trabalhar em área interna, pois não possuem muitos ajustes de sensibilidade e nem suas lentes e carcaças são apropriadas para suportar a ação do sol, chuva, ete. Portanto se o sensor vai ser colocado em uma área externa devemos escolher um sensor projetado para tal tarefa, para uso externo.

TEMPERATURA AMBIENTE
O sensor infravermelho possui um recurso chamado compensação de temperatura, ele funciona da seguinte maneira, quanto mais alta for a temperatura ambiente mais sensível ele fica, portanto se a temperatura ambiente é alta devemos utilizar sensores com compensação “real” de temperatura, pois ele ajustará o sensor para a temperatura local, deixando mais ou menos sensível, de acordo com a situação.

ÁREA DO AMBIENTE
A área de atuação dos sensores infravermelhos passivos é dimensionada por dois fatores, a abertura horizontal de sua lente e por sua distância máxima de captação. Deve se utilizar um sensor com máxima captação dentro do ambiente.

Os gráficos abaixo mostram a área de atuação de um sensor e os seus feixes de atuação.

 

Vista aérea do alcance do sensor

 

 

 

 

Vista lateral do alcance do sensor

 

 

 

 

Feixes de infravermelho

 

 

 

DISTÚRBIOS NO AMBIENTE

Em algumas instalações encontramos certos fatores no ambiente que requerem recursos especiais dos sensores, como por exemplo, animais de pequeno porte, que necessitam de um recurso chamado pet alley ou pet immunity, que quando usados não detectarão esses animais.

TIPOS DE SENS0RES
INFRAVERMELHO PASSIVO COMUM:
Capta variações de temperatura no ambiente.

DUPLO INFRAVERMELHO PASSIVO:
Possui dois sensores em um só dispositivo, causando uma maior imunidade a roedores, pois só causará um alarme com o acionamento simultâneo dos sensores.

DUPLA TECNOLOGIA:
Conjugam em um só sensor duas tecnologias distintas, o infravermelho passivo (capta variação de temperatura) e o emissor de microondas (capta movimento), somente com o acionamento conjugado das duas tecnologias será causado um alarme, sendo então, muito mais imune aos falsos alarmes.

QUANDO A INSTALAÇÃO
Eles podem ser instalados na parede, no teto, sobre os murros, pátios. Lembrando que sempre existe um tipo de sensor para cada aplicação. Os sensores de paredes são geralmente instalados com um acessório chamado junta homocimética, que serve para facilitar e ajustar o ângulo de atuação do sensor.

 

Sensor de teto

 

 

 

Sensor de parede

 

 

SELECIONAMOS ABAIXO ALGUMAS DICAS ÚTEIS PARA NÃO ERRAR NA HORA DE COMPRAR O SEU SISTEMA DE ALARME:

A crescente onda de insegurança que abala o BRASIL, e exemplos não faltam, como ocorreu em São Paulo, no dia 13 de maio de 2006, vésperas do Dia das Mães onde 58 Delegacias e Quartéis foram atacados e 30 pessoas morreram. Fato trágico, lamentável e que mostra a falência da Segurança Pública em nossos pais. Por isso pedimos um minuto de reflexão e oração as vitima desta tragédia.
Esta insegurança faz com que, a cada dia, mais pessoa procurem maneiras de se protegerem, seja no carro, no trabalho, andando a pé na rua ou em sua própria residência. Os sistemas de alarme, por exemplo, é uma das opções muito utilizadas para a segurança e proteção de residências, lojas comerciais, hotéis e etc.
Para evitar a compra de uma “dor de cabeça” no lugar de um bom sistema de alarme, é preciso tomar alguns cuidados.

Confira:
Existem no mercado vários tipos de sistemas de alarme, com tecnologias e qualidades diferenciadas. O importante é saber qual delas é a mais adequada ao imóvel e ao bolso do comprador.
Escolha sempre uma empresa estabelecida, que possa lhe fornecer algumas referências de sistemas já instalados. Lembre-se que o sistema de alarme não é apenas o equipamento: existe também o serviço de instalação, cuja qualidade é muito mais importante que o equipamento em si. Por isso, tome muito cuidado: procure evitar instaladores autônomos, ou contratar eletricistas, por exemplo, para instalar o sistema de alarme.
Uma empresa séria e preocupada com a segurança de seu cliente sempre solicitará uma visita ao local para fazer uma análise e levantar custos de material de instalação e da mão de obra que terá ao instalar o sistema. Fuja daqueles que fornece preços por telefone.
O bom profissional do ramo é capaz de fazer um ótimo projeto para sua residência, com poucos sensores, protegendo lugares estratégicos. Procure evitar projetos que colocam sensores de abertura em todas as portas e janelas e projetos faraônicos, que além de conceitualmente ultrapassados, exigem manutenção constante e são uma fonte de alarmes falsos.
Fique atento e tente perceber se o vendedor, durante o atendimento, está preocupado com a sua segurança ou em vender o maior número de sensores possíveis. Este é um bom indicativo de seriedade da empresa. Não esqueça que você irá conviver com o alarme, e ele não pode alterar sua rotina, nem ser um problema para você e sua família. Por isso, um projeto bem elaborado é muito importante.
Se optar por instalar sensores no muro, ou algum tipo de cerca eletrificada ou de alarme, é importante verificar se o sensor é duplo feixe. Sensores de duplo feixe evitam alarmes falsos com folhas de árvore, pássaros e gatos. Verifique, ainda, se os fios da cerca são de aço inóx – evite os fios de cobre ou cobre nu, pois além de muito frágeis, oxidam com o tempo, exigindo manutenção constante.
O sistema de monitoramento 24 horas deve ser levado em conta na hora da compra, pois ele é o melhor amigo quando acontece algum incidente. Uma empresa de tecnologia atualizada pode saber até se o seu sistema está funcionando ou não. Se possível, visite a central de monitoramento.

AUTOR
Ernani Moura Amaral Filho
Técnico Eletrônico
Crea PR: 5798/TD